Do chorinho à conversa: 5 segredos que todo bartender já quis te contar

| Bartender | Curiosidades
Todo entusiasta de drinks sabe que beber em casa e reproduzir receitas para os amigos e convidados em momentos de celebração é um prazer. Contudo, ir a um bar especializado e provar criações originais de um bartender profissional é uma sensação diferente. Novas misturas, sabores e texturas fazem parte da experiência de ir a casas de coquetelaria.

Um bartender é mais do que apenas alguém especializado em misturas alcoólicas: trata-se de um profissional da hospitalidade, que está atrás da bancada não apenas servindo drinks, mas também em busca de criar as melhores experiências possíveis para o seu momento no bar, esteja você sozinho ou acompanhado. E, para que tudo isso seja alcançado ou até mesmo potencializado, há alguns segredos que todo bartender gostaria que você soubesse.

 

Chorinho não se pede

Sabe aquela última dose da noite ou um extra de coquetel que poderia ser servido para você em outra taça? O popular chorinho é uma gentileza promovida pelo bartender que toda pessoa ficaria feliz em ganhar no bar. E, justamente por ser uma gentileza, não é algo que você deva pedir. “Chorinho é algo que se conquista”, conta a bartender Adriana Pino, que julga o pedido de um extra algo “deselegante”. “A base alcoólica é o dinheiro do bar. O dono do espaço tem a confiança no seu trabalho, mas não dá para ficar distribuindo assim”.
 

Mais álcool? Não

Nas receitas que publicamos por aqui, você nota que a expressão ‘a gosto’ dificilmente é empregada, especialmente nas medidas de bases alcoólicas de drinks. Há uma razão por trás disso, também aplicada aos bares de mixologia. “Você desequilibra totalmente o drink”, explica Adriana sobre o pedido de adicionar mais bebida a um coquetel. Ou seja: não faça isso nunca – nem no bar e nem em casa. Equilíbrio é tudo – na vida e nos drinks.
 

Respeite os formatos 

Fez o pedido de drink em um bar e acha que o conteúdo na taça é pouco? Para fazer render, pede gelo para dar mais volume ao coquetel? Essa é uma daquelas atitudes que um bom bartender pode até deixar passar, mas com certeza irá fazê-lo espumar por dentro. “Um coquetel que é servido em uma taça sem gelo não precisa de gelo e nem canudo”, pontua o bartender e consultor Rodolfo Bob, que completa: “e não é que há pouco drink na taça – ele foi pensado para ser servido dessa maneira”.
 

Converse – quando possível

Bares de coquetelaria costumam contar com bancadas e bancos que colocam você de frente para o bartender. Aproveite a proximidade para conversar com o profissional para entender mais sobre o universo da coquetelaria. Claro, faça uso do bom senso: se o bar estiver lotado, não coloque a pessoa em uma posição desconfortável cobrando um bate-papo. “Eu já aprendi muita coisa com os próprios clientes”, diz Adriana. “Muitas vezes é uma pessoa que viaja bastante, sabe beber, tem informações para passar para o bartender”. Por aqui, damos nossa ajuda com vários artigos para você tentar surpreender um profissional do bar.
 

Valorize o bartender

Bares e restaurantes geralmente incluem na conta uma taxa de serviço. Foi bem atendido e saiu feliz com a atenção dada pelo bartender na bancada e todas as suas criações? Então não se negue a pagar pelo serviço – ou, se quiser ir além, dê diretamente ao profissional por trás do bar uma gorjeta, a famosa caixinha.
 
Beba com moderação. Não compartilhe este conteúdo com menores de 18 anos.