Cada whisky escocês tem um sabor único: entenda as diferenças

| Curiosidades | Whisky
O sabor de um whisky escocês é muito complexo, não apenas pela intensidade, mas também pela produção do scotch. Cada etapa faz diferença, desde a escolha das matérias-primas até o tempo de maturação e os barris que são usados. 

Mas, embora existam características únicas em cada garrafa de whisky escocês, de forma geral os sabores mais marcantes podem variar entre frutado, picante, adocicado ou defumado. 

Os sabores de scotch whisky

Em relação ao processo de envelhecimento em barris de carvalho, dependendo da origem do barril, por exemplo, o gosto do destilado vai variar.

Barris de carvalho americano dão um sabor mais doce à bebida. Já o barril de carvalho europeu adicionam ao whisky um sabor intenso e frutado e uma coloração mais escura. 

Abaixo, listamos as principais características e diferenças entre os sabores de scotch whisky.

Sabor frutado

De acordo com Maurício Porto, dono do bar Caledonia Whisky & Co. e criador do blog especializado em whisky O Cão Engarrafado, o sabor frutado é um sabor bem amplo. 

Pode ser de maçã, pera, de frutas vermelhas ou da família dos cítricos. O especialista em whisky explica que não são apenas frutas frescas, as cristalizadas ou passas, como ameixa e uva, também entram na lista. “É uma família riquíssima, que traz enorme complexidade”, revela Porto.

O especialista explica que o sabor frutado normalmente é proveniente do malte ou da maturação. 

“Whiskies que têm alguma maturação em barricas de carvalho europeu, especialmente aquelas previamente usadas para envelhecer algum vinho, como Jerez ou porto, normalmente trazem essa nota frutada, especialmente frutas vermelhas.”

Já o barril de carvalho americano também pode trazer o frutado, mas com notas de maçãs e peras.

Como exemplo de whisky frutado, ele cita o blended Johnnie Walker Aged 18 Years, que têm um aroma de frutas em caldas e cítricos. Entre os single malt, o Mortlach tem notas de frutas secas, enquanto o Singleton of Dufftown possui toques de frutas em calda.

Sabor picante

Picante é um sabor menos amplo, mas não menos importante do que o frutado. “Ele pode ser traduzido como notas de pimenta do reino, chili, pimenta branca, canela, cravo, açafrão, noz moscada, gengibre ou anis”, explica o especialista. 

Esse é o sabor que vai trazer profundidade e intensidade ao whisky. Geralmente, ele é resultado da maturação em carvalho. “É a madeira que traz este apimentado. Dependendo da juventude do barril e de que bebida este barril previamente maturou, as notas apimentadas podem variar.” 

Porto explica que o carvalho americano jovem normalmente traz bastante gengibre. Já o carvalho europeu conhecido como first-fill (primeira vez que matura scotch), traz bastante canela, cravo e pimenta do reino à bebida. Podemos dizer que o apimentado é o tempero do whisky. 

O especialista alerta para não confundir o apimentado com álcool. “Quando a bebida é alcoólica, você tem vontade de ‘assoprar’, abrir a boca para aliviar a impressão excessiva de álcool. No apimentado isso não acontece. A nota de pimenta do reino, por exemplo, são leves e agradáveis alfinetadas na língua.”

Quando falamos de Johnnie Walker, Black Label é um clássico exemplo de whisky apimentado. Blue Label também faz parte do grupo, já que tem uma nota de gengibre. Além disso, no portfólio de single malts, Cardhu é um exemplo de whisky agradavelmente apimentado

Sabor adocicado

Assim como o frutado, o sabor adocicado vem de um grupo bem amplo. Baunilha, mel, caramelo, açúcar mascavo e demerara, trufas e geleia são algumas notas adocicadas conhecidas. É possível perceber que há uma tangência com os frutados, frutas em calda são frutas doces, por exemplo. 

O criador de O Cão Engarrafado explica que o whisky adocicado pode ser uma consequência do malte, que é naturalmente doce, ou da maturação. “A maturação em carvalho americano de ex-bourbon normalmente traz essa nota.”

O scotch incorpora os sabores da bebida que descansou no barril anteriormente. “O resultado da maturação em carvalho americano de bourbon whiskey é justamente essa: baunilha, mel e caramelo”, completa o especialista. 

Na família Johnnie Walker, Gold Label Reserve é um exemplo de whisky adocicado. “A base dele é um single malt cultuado pelos entusiastas: Clynelish, que tem também uma nota sulfúrica, carnuda, bem característica e que aparece como coadjuvante no Gold”, explica.

Sabor defumado

Porto conta que o defumado pode ser consequência tanto da secagem da cevada com turfa, quanto da maturação, quando há uso de barris mais carbonizados, como no caso de Johnnie Walker Double Black.

Para entendermos melhor o whisky defumado, o especialista dá detalhes sobre esse processo de secagem da cevada. 

Em um dos processos iniciais da produção da bebida - a maltagem -, o grão de cevada é molhado para que comece a germinar. No entanto, essa germinação deve ser interrompida, o que normalmente acontece ao secar o grão. A secagem acontece de duas formas: aumento de temperatura utilizando aquecedores ou com a fumaça proveniente de um forno alimentado pela tal turfa. 

“Além de interromper o processo de germinação, essa fumaça impregna a cevada com um delicioso aroma que varia entre o enfumaçado e o medicinal. Dependendo do tempo de secagem no forno e da quantidade de turfa utilizada, pode-se criar um malte mais ou menos turfado”, fala. 

O turfado, que engloba o defumado, é uma das notas mais características do whisky escocês. Por isso, não faltam exemplos: Black Label, Double Black, Green Label, 18 anos e Blue Label apresentam aromas enfumaçados e medicinais bem característicos. Além disso, Talisker e Lagavulin são whiskies single malt que também apresentam essa característica.